O tema envolveu as reflexões do primeiro dia da Semana Acadêmica de Comunicação da UCS

As atividades do dia 09 de maio começaram no horário vespertino com Adriana da Silva e Dardânia Rigatti, no workshop “Jornalistas além dos jornais: caminhos e possibilidades de carreira”. A conversa foi no estúdio de TV do Bloco T da UCS.

Dardânia Rigatti e Adriana da Silva no estúdio de TV do Bloco T da UCS
Foto: AEC

As duas convidadas contaram suas trajetórias, relacionando com a atuação  além dos  meios de comunicação tradicionais. Adriana da Silva iniciou sua história com o jornalismo em 1992 na primeira turma do curso na Universidade de Caxias do Sul. Enquanto ainda estava na faculdade começou a estagiar no jornal Pioneiro, onde atuou por 10 anos. Dentro do veículo, Adriana ainda criou a coluna de economia “Caixa Forte”.

Após sua saída do jornal Pioneiro, Adriana da Silva criou a AdriSilva Agência de Conteúdo, com agora quase 20 anos de mercado. A agência empreende na  assessoria de imprensa, mas, como destaca Adriana,  trabalha também com diversas atividades que envolvem a comunicação, o que ela já relaciona com o tema da palestra: o profissional comunicador pode ir muito além da sua formação inicial.

A jornalista  conta alguns aspectos que envolveram a criação da AdriSilva. Ela diz que ao estar em contato com a economia na coluna que criou no jornal Pioneiro auxiliou na questão de empreendedorismo, mas ressalta que essa característica foi construída dentro de sua família. Então, observou uma certa brecha no mercado de assessoria em Caxias do Sul, percebendo que muitos trabalhos vinham de empresas de fora da região. 

Dardânia Rigatti também falou um pouco sobre sua carreira. Jornalista de formação, concluiu seu curso em 2007 aqui na Universidade de Caxias do Sul. No primeiro ano de faculdade, ela começou a atuar como repórter em um jornal local de sua cidade, Garibaldi. Mais tarde, trabalhou como redatora em uma agência de comunicação e depois com assessoria de comunicação. Hoje, a profissional trabalha como atendimento publicitário na Agência Batuca, em Bento Gonçalves.

Dardânia reforçou a fala de Adriana da Silva sobre a formação profissional. “A comunicação traz consigo uma grande interdisciplinaridade e a troca que acontece com os profissionais de cada curso é importantíssima para abrir leques de possibilidades”, destaca. 

As duas convidadas ressaltaram características que consideram essenciais ao profissional comunicador de hoje. A rapidez com que acontece a troca de informações pode trazer também muitos equívocos e sobre isso elas enfatizam o quão importante é ter responsabilidade sobre a informação. “É função do comunicador prezar pela qualidade do que for veiculado, assim como buscar a imparcialidade, já que pequenos detalhes podem causar grande impacto no meio social e ter essa consciência é imprescindível”, afirma Dardânia Rigatti. 

Elas também apontaram que ser um profissional multimídia é essencial, isso significa trabalhar não somente com a mídia tradicional. Contudo, a versatilidade não foi o único ponto frisado. As jornalistas destacam o valor de ser especializado em algo. Para isso, colocam a contínua busca por conhecimento como imprescindível e não somente colocar “alma” naquilo que faz. 

Primeira noite

Já à noite, foram recebidos no estúdio de TV Ana Júlia Griguol e Ricardo Dini. Quem mediou a conversa, com o tema “Adaptação em tempos de transição pós-pandemia”, foi o diretor da Área do Conhecimento de Ciências Sociais e professor dos cursos de Comunicação da UCS, Marcell Bocchese.

Além da transmissão online, o público pôde acompanhar o evento de forma presencial
Foto: AEC

Ana Júlia Griguol é natural de Caxias do Sul. É graduada em Jornalismo pela UCS, certificada em Documentário pela Academia Internacional de Cinema e com aperfeiçoamento em Comunicação e Marketing Digital por meio de cursos rápidos. Já passou pela assessoria de imprensa no município de Cotiporã, onde reside, por mais de cinco anos. A jornalista é locutora e produtora de rádio na Tua Rádio Veranense há quase três anos. Ana Júlia também atua há mais de 6 meses como influenciadora digital na região.

Graduado em Comunicação Social Jornalismo pela UCS, com MBA em Marketing Estratégico, Ricardo Dini atua hoje como CEO da Dinâmica Conteúdo Inteligente, agência com 38 anos de história. Ela é especialista nas áreas de assessoria de imprensa, marketing de conteúdo, music branding e inbound marketing, com experiência internacional em gestão de marketing. Atualmente, integra a diretoria de Comunicação e Marketing da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC) e é diretor de Inovação da Associação Riograndense de Imprensa – Serra Gaúcha.

Os convidados iniciaram a conversa contando sobre momentos marcantes no curso de Jornalismo da UCS, que está celebrando 30 anos em 2022. Na oportunidade,  o coordenador do curso, Jacob Hoffmann, apresentou o selo comemorativo.

Selo comemorativo dos 30 anos de Jornalismo na UCS

Segundo o professor, cada elemento do selo conta um aspecto da trajetória do curso de Jornalismo na universidade. O número 30 consolida a história do curso. O microfone representa o foco no fazer jornalístico e na sua ética. Já a estrela marca uma instituição inovadora que busca responder aos desafios do mercado e valoriza cada um que fez parte do Jornalismo da UCS e trilhou seu próprio caminho, mas sempre terá a universidade como referência, assim como será referência para a mesma.

E relembrando os bons momentos na instituição,  Ana Júlia Griguol ressaltou a importância de que a teoria e prática estejam em consonância.   A convidada relatou que a experiência em sala de aula era efetivada no trabalho e como os dois ambientes andavam juntos, auxiliando um ao outro.  “Não segui a receita de bolo: estudar e depois colocar em prática. Eu tive que fazer tudo junto”, enfatiza. 

Já Ricardo Dini lembrou do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e a escolha do tema do mesmo. Nesse tópico, destacou a importância de pensar além do convencional.

Dini também ressaltou o valor dos relacionamentos construídos no dia a dia no âmbito acadêmico. Os colegas mais tarde estarão efetivamente no mercado de trabalho, ocupando grandes cargos. Então, ele  ressalta que manter relações de qualidade é de suma importância. 

E foi a rede de relacionamentos que impulsionou Ana Júlia a tornar-se influenciadora digital. Segundo ela, o que abriu a porta para esse novo ofício foi o jornalismo. Ao divulgar seu cotidiano trabalhando na área, amigas pediam para a jornalista realizar publicações com as marcas delas em seu Instagram.

Ela comenta que ser influenciadora exige muita responsabilidade com o conteúdo postado e pelo fato de estar conduzindo seu nome. A comunicadora também conta que foi um meio de se colocar de forma diferente no mercado, sem deixar de fazer aquilo que ela mais se identifica, o jornalismo na essência. 

Ricardo Dini também relatou como foi empreender no jornalismo. Ele destaca que é preciso ter postura ética, bem como buscar aberturas no mercado. Segundo ele, deve-se perguntar o que o mercado está comprando hoje. Além disso, Dini enfatiza que ser especializado em um segmento é importantíssimo nessa área. “Escolham seus nichos e se especializem, sejam melhores que todos outros na sua área de especialidade”, afirma.

Outro tema abordado foi como realizar uma comunicação assertiva em pequenas localidades. Ana Júlia Griguol, que é de Cotiporã e trabalha em Veranópolis,  comenta que  para alcançar esse objetivo a principal estratégia é conhecer as pessoas que fazem parte desse lugar. Para isso, é preciso estar junto a elas, participando de eventos locais e conversando com os moradores. 

E o tema da palestra, sobre as mudanças que a pandemia trouxe na área da comunicação, teve importantes reflexões por parte dos palestrantes. A agência Dinâmica, na qual Ricardo Dini é CEO, cresceu durante esse período pandêmico. Desse modo, ele teve que realizar contratações à distância. Agora, a empresa conta com redatores que trabalham em formato home office, inclusive fora do Estado. Ele também constata a dificuldade da gestão de pessoas à distância, no quesito, dito por ele, “se fazer ouvir e se fazer entender”. 

Já Ana Júlia destaca a preocupação diária das atividades da Tua Rádio Veranense serem suspensas caso algum funcionário contraísse a Covid19. Outro desafio constatado foi alteração das atividades com foco para o online, como o fim das entrevistas presenciais, fazendo esse conteúdo ser atrativo ao público.

Segundo os palestrantes, alguns hábitos ficaram desse momento pandêmico, como a higiene e maior preocupação com o outro. No âmbito de trabalho, permaneceu a comunicação mais humanizada e a fortíssima presença nas mídias digitais. 

Para conferir mais detalhes, assista a palestra na íntegra no link abaixo:

E a Semana Acadêmica, organizada pelos Diretórios Acadêmicos da Comunicação, continua! Hoje (10/05), às 19h40 é a vez  da palestra “Os novos ares da fotografia e cinematografia”, com Jefferson Botega, formado no curso de fotografia da UCS e atua como fotojornalista na Gaúcha/ZH. A palestra estará disponível no canal do youtube da UCS. Acesse aqui:

Deixe um comentário